domingo, abril 01, 2007

quisera eu que os meus versos
transpusessem os instantes
e me fizessem esquecer
o quão impossível
é ser sem você...

7 compartilhando!

Anonymous Rosa Albertí ,

..muito legal...

abril 01, 2007 12:12 PM  
Blogger Ácido Poético ,

1º de abril..parece até mentira, mas, você postou!
Que saudade! Belo poema...

Beijos
Brunø

abril 02, 2007 11:27 AM  
Anonymous nelson ,

Já livre dos instantes/em versos transpostos/eternizo em memória/posso ser sem você...só, não sem verso/onde inscrita na lápide/"não estou aqui"/saí por aí com um "passarinho"/ironizando o tempo/quando fui você/no "sumidouro do espelho"...
(Nanna, desculpe a intrusão)..um abraço!

abril 02, 2007 3:41 PM  
Blogger Ricardo Rayol ,

versos inaudíveis
ocultos
apaguem
memórias, momentos
transponha
possibilidades intransponíveis
torne
instantes a sós
possíveis

(foi irresistível replicar)

abril 02, 2007 8:34 PM  
Anonymous paulo vigu ,

De fato os versos não transpõem, mas impõem claramente a intenção da poeta. Às vezes, sem o outro, é difícil ser. Riodaqui. água e beijo meu. Paulo Vigu

abril 02, 2007 11:23 PM  
Blogger Mônica Montone ,

Isso, passa, querida, a dor de não saber-se em o outro passa.....

beijocas e sorte

MM

abril 03, 2007 2:52 PM  
Blogger Juliana Pestana ,

Dps de tantos tempo... que Nanna mais romântica eu encontro por aqui. Lindos seus versos... tristes. Poeta!

Bjos meus.

abril 08, 2007 11:34 PM  

Postar um comentário

<< Home